Na agenda da Dra. Katleen da Cruz Conceição, constam nomes como Lázaro Ramos, Taís Araújo, Preta Gil, Cris Vianna, Thiaguinho, Juliana Alves , Érica Januzza entre outros famosos. Eles fazem parte de um time  que entregam o rosto e o corpo aos cuidados da médica. O motivo de tanta credibilidade e confiança tem razão de ser: Katleen é a única dermatologista brasileira especializada em tratamentos para a pele negra.

 

A opção por atender aqueles que “ninguém queria”, como ela mesma diz, rendeu bons frutos e hoje ela é uma profissional de renome, famosa por atender aqueles que todos querem: os artistas – no caso, os negros.

A Dra, que atualmente chefia o setor de pele negra da clínica dermatológica Paula Belloti e o ambulatório de pele negra da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, e que é negra, conta que passou a tratar este tipo de pele depois que seus colegas brancos julgaram que “já que ela é negra, sabe como tratar a pele dessa cor” e passaram a lhe encaminhar pacientes.

Foi a influência diária do pai, João Paulo, que fez com que Katleen seguisse os passos para se tornar médica, como ele. Durante a faculdade, ela queria ser pediatra.

Rejeição pela comunidade científica
Já dermatologista experiente nas doenças, Katleen foi estudar medicina estética para aprender a lidar com aquilo que antes considerava supérfluo. Passou, então, a fazer atendimento ambulatorial e, por ser negra, percebeu que os colegas passaram a encaminhar para ela os pacientes negros, “afinal, ela tem pele negra, deve saber tratar”.

Nos livros e apostilas que ensinavam a cuidar dos diferentes tipos de pele, a regra era a pele branca, e a pele negra, a exceção. “Para conseguir ajustar fórmulas e laser aos meus pacientes, eu testava, e queimava, na minha própria pele”, ela conta.

“Eu ia para os congressos e perguntava: ‘e se meu paciente for negro?’. E ouvia que o tratamento era muito caro para eles”. “Eles” supostamente não dariam dinheiro como os brancos, esses, sim, endinheirados e, por isso, amplamente estudados pela medicina dermatológica. “Mas eu sei que, independente de ter dinheiro ou não, todo mundo procura o melhor para si. Eu sempre juntei dinheiro para comprar as coisas que eu queria, de qualidade. Quem trabalha, sua para ganhar dinheiro, quer pelo menos conquistar seu bem-estar”, diz Katleen.

“Eu não teria sucesso se não representasse a minha raça”

Quando  foi pela primeira vez  aos Estados Unidos para participar de um congresso médico, Katleen notou que não era a única: havia, sim, muitos outros médicos negros e inclusive fóruns específicos para falar só sobre a pele negra. Foi então que ela viu que “isso de fato existia” e decidiu que dedicaria seus estudos a essa especialização. “Eu peguei aquilo que ninguém queria, ninguém acreditava no paciente negro, e hoje as pessoas dizem que eu peguei essa parte do mercado”.

Para ela, existem poucos profissionais que se propuseram a cuidar da pele negra de uma forma natural, como ela. “Eu não teria sucesso se não representasse a minha raça”, conta a dermatologista, que tem como um de seus principais motivadores a filha, de 9 anos, e o desejo que ela sinta sempre orgulho da própria pele.

De lá para cá, ela ficou famosa e se tornou a dermatologista queridinha de vários famosos negros.
A mãe da atriz Taís Araújo, Mercedes Araújo, considerada uma madrinha por Katleen, foi sua paciente e primeiro vínculo com as celebridades. A própria Taís e seu marido, o ator Lázaro Ramos, logo se tornaram clientes também. A cantora Preta Gil, as atrizes Isabel Fillardis e Cris Vianna e o cantor Thiaguinho são mais alguns que fazem parte da extensa lista de pacientes conhecidos.

Apesar da notoriedade, ela diz que continua uma pessoa simples, muito acessível pelas suas redes sociais e pela internet, e que as pessoas ainda se surpreendem com a “doutora negra” quando entram na sala de consulta. A sala de espera no bairro do Leblon, zona nobre do Rio de Janeiro, por sua vez, chama atenção pela quantidade de pessoas negras que, afinal, querem pagar pelo bem-estar, pela beleza e pela saúde.

“Foi uma briga que eu comprei contra o preconceito e que a Dra. Paula [chefe da clínica onde trabalha] comprou comigo”, conta. O resultado de suas escolhas, antes desafiadoras, é o acolhimento de pessoas que por muito tempo foram deixadas de lado e a agenda sempre cheia de trabalho. “Hoje, para mim, não existe crise econômica”, finaliza.

Informações de contato
Ligar XX2122749629
@Dermatologistapelenegra
http://dermatologiapelenegra.blogspot.com

fonte: Opinião de Preta

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here